sexta-feira, 17 de julho de 2009

Audiência pública em Visconde de Mauá destaca importância de estrada para a região .

MATÉRIA PUBLICADA NA ÍNTEGRA PELA SECRETÁRIA DE TURISMO , ESPORTE E LAZER DO GOVERNO DO RIO DE JANEIRO .

http://www.turisrio.rj.gov.br/detalhe_noticia.asp?ident=594

15/07/2009 - 18h15

Se depender do resultado da audiência pública ocorrida na noite desta terça-feira , em Visconde de Mauá, na região do Médio Paraíba, a Estrada-Parque Capelinha-Mauá já é uma realidade. Primeira obra do Programa de Desenvolvimento do Turismo (Prodetur) a ser desenvolvida no estado, ela tem na população local seu maior defensor, já que a estrada existente hoje não oferece segurança. A expectativa é de que a rodovia esteja pronta até o final de 2010.

Para o subsecretário estadual de Urbanismo, Vicente Loureiro, a estrada-parque irá favorecer a toda a região. Os moradores, segundo ele, ganharão com a melhor qualidade no deslocamento; os turistas terão um acesso facilitado às vilas de Mauá, Maringá e Maromba; e o estado ganhará a primeira estrada-parque com preocupação na preservação ambiental e na valorização da paisagem da região. O projeto prevê passagens subterrâneas e aéreas para os animais e uma série de mirantes que permitirão uma melhor apreciação do local.

- Essa é uma área importante para o turismo fluminense, porque reúne a paisagem rural, com área de preservação e belas cachoeiras. Queremos incentivar a vocação turística da região, criando postos de trabalho e geração de renda para a população. Mas, acredito, os principais beneficiados serão os moradores, que terão uma estrada que irá garantir o direito de ir e vir com segurança – ressaltou Loureiro.

O novo projeto prevê uma estrada com largura de seis a oito metros de largura; pavimentação asfáltica com polímeros – que irá garantir uma vida útil de 15 anos para a rodovia; contenção das barreiras com taludes e recuperação da vegetação original; e deques projetados em algumas áreas de mirante, para que a população possa ter uma visão mais abrangente dos vales do Paraíba e do Rio Preto. Na área de Capelinha será construído um pórtico de acesso à região.

Os moradores afirmam que as obras chegam em boa hora. O pedido inicial de melhoria da estrada surgiu em 1998, feito pela população e, desde então, espera-se a definição de uma forma de melhorar o acesso às vilas de Mauá, Maromba e Maringá. Os prefeitos de Resende, José Rechaun Júnior, e de Itatiaia, Luiz Carlos Ypê, são favoráveis ao projeto e confirmaram isso na audiência pública. Para ambos, a estrada será um indutor de novos investimentos e trarão mais tranqüilidade para a comunidade local que hoje, se necessitar de um médico durante a noite, precisará esperar o dia seguinte para ser levada ao hospital.

- É preciso que as pessoas tenham consciência de que os principais beneficiários serão os próprios moradores, que terão acesso a uma estrada que garante um tráfego seguro, a qualquer hora. Será o momento de colher os frutos de um trabalho excepcional da comunidade que começou há muitos anos – afirmou Ruy Saldanha, ex-secretário de Obras de Resende e morador da região.

O principal questionamento dos moradores diz respeito a uma integração dos projetos de saneamento básico e urbanização com o município de Bocaina de Minas, em Minas Gerais, que faz divisa com todo o vale. Loureiro frisou que há uma disposição do governo fluminense de ajustar os projetos com o governo de Minas Gerais, para que todos saiam ganhando. As obras de saneamento na região irão garantir a preservação dos mananciais da bacia do Rio Preto.

Participaram da audiência ainda Antonio Carlos Gusmão, do Comitê Estadual de Controle Ambiental (CECA); Maurício Couto, do Instituto Estadual do Ambiente (Inea); Paulo Fontanezi, secretário de Meio Ambiente de Resende; Conceição de Carvalho, vice-prefeita de Bocaina de Minas, em Minas Gerais; Elizabeth Pessoa, diretora da Fundação Departamento de Estradas de Rodagens (DER/RJ) na região; Rogério Rocco, do Instituto Chico Mendes; Monica Monteiro, subsecretária estadual de Turismo; e Renato Quintanilha, chefe-de-gabinete da secretária estadual de Turismo, Esporte e Lazer; além de diretores de diversos órgão estaduais e dos municípios envolvidos.

2 comentários:

Alessandra disse...

Será que vale a pena pôr em risco as riquezas naturais (rios e cachoeiras) de Visconde de Maua? Será o fim de mais uma região ainda preservada... já encontramos lixo pela estrada... falta luz qdo enche... há estrutura para suportar uma maior qtd de turistas? Hospital? Saneamento? E a natureza? Qual o impacto?

Luiz Filipe disse...

Concordo com a Alessandra...

Pode parecer uma visão meio egoísta para nós que somos turistas, mas a verdade é que facilitando o acesso, aumenta o contingente de turistas, e acaba por prejudicar todo o ecossistema, mesmo com a preocupação de passagem subterrâneas, reflorestamento... a cidade irá crescer e impactará todo o ecossistema da região, sem contar com a quantidade de lixo que aumentará, pois o brasileiro é mal-educado. O acesso de hoje, seleciona bastante aqueles que realmente gostam da natureza, do que aqueles que vão para curtir e sujar o ambiente...

Sem contar que há muitos moradores que são contra essa estrada, não são todos que são a favor não.